Notícias Apimentadas

Loading...

Entre Irmãos

Experimente conhecer Quentin e Antoine: irmãos gêmeos de 18 anos, decidem sair da França até a Espanha para o funeral da mãe que sequer conheciam - sem que o pai saiba, ambos fogem rumo ao desconhecido. A viagem exerce neles o próprio despertar, uma espécie de auto-conhecimento. Eis a proposta do filme independente Dê me sua mão, do diretor Pascal-Alex Vincent. Os gêmeos são intensamente íntimos, dormem juntos na mesma cama, dividem o mesmo banho e são expressivamente carinhosos um com o outro. A ternura beira ao próprio prazer. O elo é tão forte que ambos se assemelham a um casal amoroso. O incesto é algo totalmente sutil, eles sequer têm o conhecimento do fascínio de um para o outro. A relação febril de amor entre os dois é também marcada pelo ódio: há momentos que ambos vivenciam um carinho, outros são de desentendimentos constantes - nota-se que, geralmente, toda relação de irmãos tende a ser condicionada dessa forma. O amor e o ódio conceituam essa relação de apego, a dependência e a intimidade preservados entre os irmãos. O mais saboroso: o diretor trouxe à tela um pouco da realidade dos dois jovens que interpretam eles mesmos. O cineasta conhecia os irmãos Alexandre e Victor Carril por residirem no mesmo bairro e pelas brigas constantes (que, pro sinal, foi responsável por uma cicatriz no rosto de Alexandre Carril, que vive Antoine) e se interessou pela história ao notar o elo incondicional entre eles.

O diretor ouviu fatos, histórias de ambos e o filme resulta nessa escolha dele em filmar uma história transparente, baseada na vida real com personagens verdadeiros na tela. O roteiro é muito bem objetivo: os irmãos vivenciam as próprias descobertas sexuais, psicológicas e tudo é marcado emocionalmente por muitos questionamentos: a experiência da viagem acaba por funcionar como o renascer da própria maturidade. Quentin é mais sensível, introspectivo, brando - Antoine é mais enérgico, impaciente e altivo. Na trajetória, os irmãos confrontam-se com a dificuldade de grana, a confusão de suas emoções e as diferenças de interesses evidenciadas. Transam casualmente com mulheres que conhecem na estrada, em bares ou mesmo nas cidades que transitam, entre trens e comboios. O sexo impulsiona os dois, plenamente. Muito sexo oral e masturbação também. Mas eis que Quentin, inesperadamente, passa a ter desejos ardentes de luxúria por um rapaz que conhece numa fazenda - com quem divide um trabalho temporário - e Antoine surpreende o irmão no ato sexual.

A relação dos dois gêmeos transforma-se em caos. Como lidar com fortes revelações? E o destino? Como ambos terão que lidar com a cumplicidade daqui pra frente? Mudanças ocorrem em ambos e o elo parece se dissipar. O filme é um belo exercício de poesia: o roteiro tem diálogos crus, interpretações passionais e a fotografia é repleta de iluminação natural, realçada pela beleza das locações - além de uma trilha sonora rústica, emblemática. Há enquadramentos perfeitos, cenas de interpretações sensoriais dos dois atores. Por fim, o road-movie masculino introspectivo tende a ser um rito de aprendizagem, o encontro de dois seres em auto-descobrimento da sexualidade e da existência.

22 opinaram | apimente também!:

Jenson J, disse...

Cristiano, não conheço o filme - mais irei procurar!

Clenio disse...

Tá se puxando, hein, meu amigo? Descobrindo uns filmes de quem nunca ouvi falar... Me pareceu bem interessante... sabe se saiu em dvd? Abração e boa semana

Clênio

@philipsouza disse...

O filme parece mesmo por fora de grande questionamento quando vc cita qm são os irmãos, a visão crítica mostrada pelo diretor questiona e leva ao telespectador, a uma visão de dois polos de como é levado essa vida de descobrimento aos dois, até porque no enredo a uma perda.
O que eles irão descobrir é uma icognita mesmo q muitas vezes a propria pessoa tira algum proveito daquilo para falar sua opiniao ou rever ate mesmo o proprio filme.
Ainda não vi o filme, mas é uma boa indicação.

Vlw...Fuiii

Antônio Moura disse...

E lá se vão os dois, idênticos um ao outro, ao velório da mãe que nunca conheceram. O epelho que não tiveram por meio do reflexo do olhar dessa mulher aparece ali, no olhar mutuamente trocado entre eles.
Cheira um pouco a Do Começo ao Fim. Será que serviu um pouco de inspiração para o filme brasileiro?
Abração.

Reinaldo Glioche disse...

Primeiro filme que tu resenha aqui que eu não conheço!!! Mas pelo que li, valea pena conhecer!
Tomara que o DVD seja fácil de achar! Tu viu em DVD, tv por assinatura ou torrent?
ABS

Pedra do Sertão disse...

Não conheço o filme também, mas fiquei curiosa. Grata!

Mirella Santos disse...

Mais um filme que não conheço e que vai pra minha lista apimentária de filmes pra assistir.

Muito bom enredo ele tem. Casos de incesto sempre surpreendem as pessoas, gostei da história, mas será que "Do começoa oo fim" foi inspirado nele?! abraços

Paulo [ALT] disse...

Cris,

Onde você acha esses filmes hein? Caramba, são muito curiosos e não se encontra em circuito comum. Acho que esse fato, o independente, ressalta a força deles como arte, naun acha? A foto que escolheu é excelente.

Nunca assisti mas adorei como você traçou cada um dos indivíduos, suas particularidades, e essa jornada rumo... rumo ao conhecimento e o que pode surgir dele. Além disso contou do diretor, notei também.

Não foi um post simples também não, viu. E eu acho... que vou... err... dar um jeito... de... assistir, mesmo você acreditando que não haha. Pena que não assisti e fico aqui sem saber o que dizer. Às vezes as coisas funcionam mais quando não são explícitas... o caso do incesto mesmo, ainda que esse não "seja". Vejo o furo nacional que foi o Do Começo ao Fim em relação a esse filme, que vc elogiou, ou até mesmo em relação... veja... a Os Sonhadores. Me diz, não funcionam mais? A magia fica, o profundo também.

Talvez tb volte pra comentar de novo se assistir.

Abração meu Amigo ^^

Serginho Tavares disse...

valeu pela dica!

Marcos Campos disse...

Oi Cris!
Quero ver, vc baixou??
Dá pra mandar o link? rsss
Folgado eu não?

EFS*** disse...

Adoro este estilo de filme, me deu água na boca!

Depravado não!?

kkkkkkkkkkkkkkk

Rafael Pinheiro disse...

Por algum motivos escondido em minhas formações edípicas eu me interesso muito por filme entre irmãos; principalmente quando o tema do incesto paira sedutor. Já to com o filme e vou vê-lo ainda hoje. brigado pelas ótimas recomendações. bj.

Fabrício Santiago disse...

é outro filme corajoso. Bom, preciso por em prática minha promessa de ano novo de assitir um filme por semana, até que estou em dia, mas isso pq vejo logo 4 filmes num fil de semana pra compensar ao atraso.
Bom, postei a segunda parte de o vingador de lampi~]ao, te espero por lá, abração.

Kamila disse...

Não tinha ouvido falar neste filme ainda, mas achei o texto interessantíssimo. A conferir!

Rodrigo Mendes disse...

Eu estou com trauma depois de DO COMEÇO AO FIM não quero saber de incesto. Mas óbvio pela sutileza da premissa me pareceu interessante.

Cris, vou ficar cobrando TRES FORMAS DE AMAR, rs!

Boas curiosidades neste filme, o post esta cult!

ABS!

Antonio de Castro disse...

então posso baixar?

-

Anderson disse...

Nossa, nunca tinha sequer ouvido falar desse filme. Mas depois do seu ótimo texto, preciso dele hj!!!! Vou caçar. Valeu pela dica. Abs!

Fred Burle disse...

Também nunca ouvi falar deste filme, Cris.
Mas parece ser muito mais verossímil do que Do Começo ao Fim.
Boa dica!

Heliomar Melo disse...

Estou adorando seu blog e estou te seguindo. Vou dar uma olhada geral com calma.
Paz e sucesso!!!!

bruno knott disse...

Olá!

Achei que o post era sobre o filme Entre Irmãos que vai estreiar semana que vem.

Este eu não conheço, mas me pareceu interessante. Curto bastante road movies!

Nelson Soares disse...

Quero MESMO ver esse...




Stay Well

Inã disse...

Legal!

Valeu pela dica, vou procurar por esse filme!

Abraços!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Aperitivos deliciosos

CinePipocaCult Sociedade Brasileira de Blogueiros Cinéfilos Le Matinée! Cinéfila por Natureza Tudo [é] Crítica Crítica Mecânica La Dolce Vita Cults e Antigos Cine Repórter Hollywoodiano Cinebulição Um Ano em 365 Filmes Confraria de Cinema Poses e Neuroses